Soares Chronicles #89: How I forgot your mother

At the mirror you fix your hair and put your makeup on
You’re insecure about what clothes to wear
I can’t see nothing wrong
To me you look so beautiful when you can’t make up your mind
It’s half past eight, it’s getting late
It’s OK, take your time
Standing here my hands in my pockets
Like I have a thousand times
Thinking back it took one breath
One word to change my life
The first time I saw you it felt like coming home
If I never told you I just want you to know
You had me from hello
When we walk into a crowded room it’s like we’re all alone
Everybody tries to kidnap your attention
You just smile and steal the show
You come to me and take my hand
We start dancin’ slow
You put your lips up to my ear and whisper way down low

 From the first time I saw you it felt like coming home
If I never told you I just want you to know
You had me from hello
And when you’re laying down beside me
I feel your heartbeat to remind me…
The first time I saw you it felt like coming home
If I never told you I just want you to know
You had me from hello
From hello
From hello

You had me from hello, Bon Jovi

Bom, esperava mais comentários, mas enfim.

Continuando esse novo projeto, segue aqui algumas idéias que eu e o Alto Executivo Estratégico do Sistema Fiergs tivemos para uma nova série. O nome é “How I forgot your mother”.

A idéia principal é: quarto amigos de muitos anos, se reúnem em bares e restaurantes, festas, enfim e começam a falar sobre as histórias que aconteceram com eles ao longo dos anos. Em paralelo algumas dessas histórias começam a voltar acontecer, sem eles perceberem, evidentemente. Mas há um motivo para todas essas histórias terem acontecido, Caster Triem (eu usei um gerador aleatório de nomes do Star Wars) precisa esquecer uma história.

Personagens:

Caster Triem: Jovem, na faixa dos 30 anos, preso num emprego 9-5, o ideal seria um daqueles empregos que ninguém ao longo da série sabe realmente do que se trata, nem ele. Boa parte das histórias acontecem com ele ou por causa dele.

Josiah Ackerley (gerador de nomes do Harry Potter): Amigo de Caster, bebe e come o que ver pela frente (em todos os sentidos imagináveis), sente um certo orgulho de coisas improváveis de seu passado. Acabou virando professor de estatística na faculdade e sonha em participar das atividades sexuais de suas alunas.

Oz: Filho de um casal hippie que participou de Woodstock, ou pelo menos acham que sim, eles não se lembram direito. Apenas 3 pessoas sabem o seu nome verdadeiro, Caster, Josiah e Elanor. Assumiu a loja de penhores do seu avô, no depósito rolam diversos jogos de poker regados a cerveja e molho de pimenta. Teve uma juventude extremamente desregrada, leva lembranças dela até hoje espalhadas pelo corpo, uma tatuagem secreta, um pedaço do fígado guardado no freezer, coisas assim. Depois que conheceu Elanor acalmou-se bastante, mas, eventualmente, tem recaídas, fica bêbado, faz um fiasco do cacete e no outro dia, quando questionado, bate na mesa e grita: “E eu tenho muito orgulho disso!”.

Elanor Chubb (gerador de nomes do Senhro dos Anéis): Estudante de intercambio da pequena cidade de Combe, na Irlanda, foi fazer um semestre na universidade que eles cursaram e apaixonou-se por Oz, para espanto de todos e desespero de muitos, especialmente da tradicional família criadora de ovelhas que ela deixou na Irlanda. É uma espécie de “Facepalm” do grupo.

 Funcionário do DMV: Filho de uma tradicional família do interior, foi prometido em casamento ainda criança para uma moca de outra família, Angelina Vimes, uma mulher amarga e maligna, que nunca sorri. Amargurado com o que o destino reservou para ele, apos a derrocada de sua família, passou num concurso para atendente no DMV e faz da vida de toda a sociedade um verdadeiro inferno. Nunca se referem à ele pelo nome, e sempre que ele entra em cena toca uma musiquinha e um coro: “Departamento de Transitoooo”ou alguma outra coisa que ainda não pensei direito.

Tanya See: Primeira namorada de verdade de Caster, nunca aparece em cena, apenas eventualmente deixando pistas de sua presença.

 

S01E01

A historia começa no apartamento de Caster, a câmera focada nele e ele diz:

“Então ta, Tanya. Se é o que tu quer… terminamos.”

A câmera muda o foco e só vemos uma mão feminina pegando uma bolsa preta e batendo a porta do apartamento, com forca.

Vemos Caster, sentado na cama (estamos supondo que o apartamento é um JK), ele coloca a mão sobre a face, e se apóia nos joelhos.

Corta para noite, ele entrando pela porta dos fundos do “Barão dos Penhores”, no meio do depósito uma mesa redonda, com Oz, Josiah, o Funcionário do DMV e o Voz (Vô do Oz).

Ele se senta, com a cara fechada e diz: “Eu e Tanya terminamos.”

O funcionário do DMV cai da cadeira.

Voz dá uma longa tragada no seu charuto.

Oz dá um tapinha no seu ombro, e diz: “Viu? É por isso que eu não namoro.

Josiah diz “Então tu precisa tomar um porre, pra esquecer” e puxa de um bolso do casaco, uma garrafa de Velho Malte Barrilete, e coloca-a na mesa.

Rolam os créditos, musiquinha, pensei na abertura um monte de fotos dos quatro em situações inusitadas: dormindo no cordão da calcada, fugindo da policia montada do Canadá, em cima de um palco num show de rock, desfilando no carnaval de rua do Alegrete, sei lá.

Fade to Black, “10 anos depois”.

Foco num celular caído num tele-entulho, ele começa a tocar, uma mão puxa-o,

“O que? Como assim?” Câmera sobe, um Caster mais velho, vestindo uma toga romana fala ao celular tentando se levantar de dentro do tele-entulho. “Aonde eu to? Hmmmm… Dentro de um tele-entulho em… hmmm… a placa do carro diz Guaíba.”

A câmera voa pela cidade até focar num Josiah, mais velho, também numa toga romana, que no celular fala: “Eu acordei no acostamento de uma estrada, perto de uma placa que diz: “Divisa Municipal Guaíba/Eldorado. E agora?”

“Agora fudeu.”Responde Caster.

Todas essas histórias que aparecem nas fotos da abertura, são coisas que aconteceram nos últimos dez anos, enquanto Caster tentava esquecer a sua ex-namorada, ao longo da série eles vão contando essas histórias, enquanto outras vão acontecendo. Mas a idéia principal é que ele tenta esquecer alguém, mesmo em alguns momentos vão ter historias de outras namoradas, ficantes ou seja lá o que forem, mas há uma certa melancolia no personagem.

É só um esboço, evidentemente. Mas eu achei a idéia tri.

“Os meus pensamentos foram-se afastando de mim, mas, chegado a um caminho acolhedor, repilo os tumultuosos pesares e detenho-me, de olhos fechados, enervado num aroma de afastamento que eu próprio fui conservando, na minha pequena luta contra a vida. Só vivi ontem. Ele tem agora essa nudez à espera do que deseja, selo provisório que nos vai envelhecendo sem amor.
Ontem é uma árvore de longas ramagens, e estou estendido à sua sombra, recordando.
De súbito, contemplo, surpreendido, longas caravanas de caminhantes que, chegados como eu a este caminho, com os olhos adormecidos na recordação, entoam canções e recordam. E algo me diz que mudaram para se deter, que falaram para se calar, que abriram os olhos atónitos ante a festa das estrelas para os fechar e recordar…
Estendido neste novo caminho, com os olhos ávidos florescidos de afastamento, procuro em vão interceptar o rio do tempo que tremula sobre as minhas atitudes. Mas a água que consigo recolher fica aprisionada nos tanques ocultos do meu coração em que amanhã terão de se submergir as minhas velhas mãos solitárias…”

Pablo Neruda

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s